sexta-feira, 12 de agosto de 2016

2ª Parada LGBT de Trindade acontece no próximo domingo, 14 de agosto




Acontece no próximo domingo, 14 de agosto, a partir das 14:00 horas, a 2ª edição da Parada do Orgulho LGBT de Trindade. A concentração será em frente ao Ginásio Armando Greco, na Avenida Manoel Monteiro, no centro da Cidade. No início da noite a multidão sairá em passeata reivindicando a aprovação de leis que beneficiem a comunidade LGBT. A expectativa da Comissão Organizadora é reunir cerca de cinco mil participantes.

Por ser um ano de eleições, o tema deste ano é: “Nosso voto, nossa força. Por uma Trindade sem LGBTfobia”. Este tema foi escolhido em reunião das ONG que promovem e apoiam a parada, com o objetivo de conscientizar a comunidade LGBT da necessidade de se votar em candidatos que sejam comprometidos com a causa e os direitos humanos LGBT.

A concentração começará a partir das quatorze horas, com apresentação de DJs, drag queens e grupos de dança. No final da tarde será aberto um espaço para as falas políticas e por volta das dezoito horas a multidão sairá em passeata pelas ruas centrais da cidade.

Como na primeira edição, o evento contará com a distribuição de materiais informativos e insumos de prevenção das DST/AIDS, Sífilis e Hepatites Virais. Haverá a aplicação do Teste Rápido com Amostra de Fluído Oral e outras atividades que visam à saúde, direitos humanos e cidadania da população LGBT.

A parada é uma realização do Grupo da Diversidade LGBT de Anápolis (GDA), em parceria com a Associação da Parada do Orgulho GLBT de Goiás (APOGLBT-GO), Associação de Cidadania Direitos Humanos e Cultura Aparecidense (ACDH-A), União dos Jovens Socialistas de Anápolis (UJS),  União Nacional dos Jovens LGBT (UNA LGBT) e dos Grupos Ipê Rosa e Oxumaré. Conta ainda com o apoio da Coordenação Estadual de DST/AIDS e da Prefeitura Municipal de Trindade e, também dos órgãos da segurança pública: Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e SAMU de Trindade e também do Corpo de Bombeiros Civis.

Informações podem ser obtidas no e-mail paradagoias@hotmail.com , no Facebook paradagoias ou apoglbt-go e também pelos telefones: (62) 99176-5720 ou 98530-5891.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Os objetivos de uma parada LGBT


Pessoas mal informadas, despolitizadas, ou mesmo mal intencionadas, insistem que a PARADA LGBT é uma festa, um ‘”carnaval fora de época” ou mesmo uma ‘micareta’.

MAS ISSO NÃO É VERDADE!

A PARADA LGBT é um ato político da maior importância. É o momento em que LGBT vão para rua para dizer para a sociedade que nós existimos e que nós temos direitos.

Listamos a seguir alguns dos OBJETIVOS da parada LGBT, para que você conheça e ajude a combater o discurso dessas pessoas que só querem discriminar e prejudicar a comunidade LGBT:

1) PROMOVER A VISIBILIDADE MASSIVA
Mostrar à sociedade o poder desse segmento enquanto cidadãos e massa potencial de eleitores e consumidores. Segundo pesquisas, 10% da população é formada por pessoas LGBT, ou seja, no Brasil somos mais de 20 milhões! É uma enorme massa de pessoas que não pode ser ignorada. Os políticos tremem diante de nós. Os LGBT é que ainda não aprenderam usar isso a seu favor.

2) REFORÇAR A AUTOESTIMA
Mostrar que a comunidade LGBT tem seus direitos como cidadãos e que eles precisam ser plenamente respeitados. Mostrar que somos unidos e que juntos, somos fortes.

3) FUNCIONAR COMO RITUAL DE INICIAÇÃO
Para que mais LGBT se assumam, estimulando aos enrustidos a “sair do armário” e se juntar ao grupo para lutar por seus direitos.

4) MOSTRAR À SOCIEDADE A EXISTÊNCIA DA DIVERSIDADE SEXUAL
A sociedade precisa entender que existe essa diversidade. É preciso estimular o respeito à livre orientação sexual, à identidade de gênero e o estilo de vida de cada um. Na hora de pagar impostos, somos iguais a todos. Por que na hora de ter direitos não somos iguais?

5) SELAR A SOLIDARIEDADE COM OUTRAS MINORIAS
A união faz a força, por isso, a parada é um momento da comunidade LGBT se integrar com outras minorias sociais, entidades de classe e representantes de diferentes setores do poder, fazendo das paradas uma vitrine para ampliar a articulação do movimento LGBT com outros movimentos.

6) ARREGIMENTAR NOVOS MILITANTES
O movimento LGBT não pode parar. Pessoas vão envelhecendo e precisam ser substituídas. Assim, é preciso juntar a experiência dos mais velhos com a energia dos mais novos para fortalecer o movimento. As paradas são o momento ideal para despertar nos jovens o ideal de luta, a vontade de continuar lutando pela nossa causa e por nossos ideais. Nessas oportunidades é que eles sentem vontade de entrar para o movimento social organizado.

7) DENUNCIAR À POPULAÇÃO EM GERAL E À MÍDIA AS DIFERENTES MANIFESTAÇÕES DE HOMOFOBIA
Nas paradas, o público LGBT ganha grande visibilidade na mídia. É preciso aproveitar esses momentos para denunciar a violência contra os LGBT, as práticas preconceituosas da sociedade. Também é preciso transmitir aos participantes da parada informações sobre autodefesa contra discriminações e como enfrentar e se proteger da violência anti-LGBT.

8) REFORÇAR A PREVENÇÃO CONTRA AS DST/AIDS
É um dos principais objetivos das paradas reforçar junto aos participantes a necessidade da prevenção contra as DST/AIDS. A população LGBT está entre as mais vulneráveis a essas endemias.

9) APOIAR AS PESSOAS COMPROMETIDAS COM A NOSSA CAUSA
A parada é uma oportunidade para dar espaço e visibilidade para candidatos LGBT e pessoas que mesmo não sendo LGBT são comprometidas com a nossa causa. Lembre-se: enquanto LGBT não votar em LGBT, os religiosos fanáticos continuarão se unindo, elegendo seus candidatos para votar leis contra nós! Atualmente, a chamada “bancada da Bíblia” é composta por cerca de 75 deputados enquanto os que apoiam a causa LGBT não chegam a uma dezena de deputados...

Agora você já sabe. Quando alguém disser alguns dos absurdos que costumamos ouvir por aí sobre a PARADA LGBT, você já tem os argumentos para combater esses inimigos da comunidade LGBT, que só ajudam a propagar o preconceito e a discriminação.

Se precisar de mais alguma orientação, procure uma ONG LGBT e se informe. Juntos, somos mais fortes!

10 motivos para você participar das paradas LGBT


A PARADA é um momento único em que podemos mostrar a nossa força para a sociedade. Mostrar que nós existimos e que nós temos direitos. É um momento de conquistar espaço na mídia, que tem o poder de formar a opinião das pessoas.

E se você ainda tem alguma dúvida, listamos dez motivos para mostrar a importância da sua participação:

1. COMO SEREI BENEFICIADO SE FOR À PARADA?
Você estará contribuindo para acabar com a intolerância social com relação à livre orientação sexual. Se você é LGBT será beneficiado diretamente. Se não, sua participação contribuirá para ajudar a acabar com a intolerância, o preconceito e a violência contra a pessoa LGBT, que pode ser um parente, um amigo, um vizinho ou um colega de trabalho.

2. UMA PARADA TEM O PODER DE ACABAR COM A INTOLERÂNCIA E O PRECONCEITO SOCIAL?
A parada, por si só, não tem este poder. Mas, ela contribui diretamente mostrando à sociedade civil brasileira a força da comunidade LGBT. Uma manifestação de massa com centenas ou milhares terá uma grande repercussão política.

3. PARA QUE SERVE A REPERCUSSÃO POLÍTICA?
Serve para os políticos, que fazem as leis do nosso município, estado e país se sentirem pressionados e transformarem as reivindicações dos LGBT em leis. Assim, o estado dará garantias dos direitos civis à comunidade LGBT. Por exemplo, leis que garantam: direitos iguais, punição às pessoas e empresas que discriminam LGBT no local de trabalho ou ambiente público, políticas governamentais específicas para a comunidade LGBT, etc.

4. HOMOSSEXUAL DEVE SE METER EM POLÍTICA?
Toda ação do ser humano é política. Durante nossas vidas estamos fazendo política o tempo todo. Não são só os partidos políticos e os parlamentares que fazem política. Eles fazem a política institucional. Nós, pessoas do povo, fazemos política de massa. Os políticos dependem da gente, do nosso voto. Eles se sentem pressionados a atender as nossas reivindicações. Nós temos uma força muito grande, principalmente quando nos unimos. Quando as pessoas se unem ficam fortes e passam a ser respeitadas pelos políticos e o restante da sociedade. A parada é um encontro político, por que toda ação do ser humano na sociedade é uma ação política. Além disso, a parada é um encontro de massa que tem como objetivo confraternizar toda comunidade GLBT. Mostramos que unidos, somos mais fortes.

5. QUAL SERÁ A REAÇÃO DOS POLÍTICOS E DA SOCIEDADE?
A parada evidenciará que a luta da comunidade LGBT tem amplo apoio popular. Os políticos conservadores, os religiosos fanáticos e o cidadão comum, que são contra os LGBT, pensarão duas vezes antes de fazer algo para prejudicar a comunidade LGBT.
6. EU QUERO IR À PARADA, MAS TENHO MEDO. E SE EU FOR RECONHECIDO?
Pesquisas comprovam que 50% das pessoas que vão a uma parada NÃO SÃO LGBT. Portanto, você já tem uma boa desculpa. Boa parte dos homossexuais tem este medo, porque a maioria não está preparada emocionalmente para sair do armário. Não tenha esta preocupação. Reúna seus amigos e entre na multidão.

7. TEM GENTE QUE ACHA QUE A PARADA É UMA PALHAÇADA, “CARNAVAL FORA DE ÉPOCA” E NÃO SERVE PRA NADA
São pessoas conservadoras que acham que LGBT não devem ter visibilidade, devem ficar quietos e não saírem do armário. Estas pessoas estão contribuindo para que homossexuais continuem sendo assassinados impunemente em nosso país; sendo demitidos das empresas por serem gays. Que as travestis não tenham emprego e precisem se prostituir para sobreviver. Que as lésbicas continuem a ser expulsas de casa e estupradas “para aprender a gostar de homem”, etc.

AGORA, SE VOCÊ É LGBT E PENSA DESSA FORMA, AÍ A COISA É MAIS SÉRIA!
Enquanto você está pensando dessa maneira, está fortalecendo os religiosos fanáticos e os preconceituosos, que se unem para combater os LGBT. Ao invés de cultivar e espalhar esse pensamento, procure uma ONG LGBT, entre para a militância e tente mudar o que você acha que está errado. Ao invés de destruir, por que você não tenta ajudar a construir? LGBTfobia internalizada (de LGBT contra LGBT) é a pior forma de preconceito que pode existir, porque ela é o preconceito contra você mesmo!

8. E SE EU ME OMITIR E NÃO FOR A PARADA COM MEDO?
Você estará contribuindo para dar força àqueles que querem perseguir os LGBT. Você estará se prejudicando e prejudicando as outras pessoas. Enquanto os LGBT não se unem, os religiosos fanáticos e os preconceituosos estão se unindo e se empoderando contra os LGBT. Já chegaram ao absurdo de apresentar na Câmara Federal um projeto de lei proibindo o beijo entre pessoas do mesmo sexo! Se omitir é o mesmo que dar o direito ao estranho de decidir por você!

9. ENTÃO EU SOU UMA PESSOA IMPORTANTE?
Você é fundamental! Você estará construindo um novo mundo, com menos conservadorismo social, como menos preconceito. Você estará escrevendo a história, permitindo que a homossexualidade deixe de ser um grande tabu e que a comunidade LGBT possa vivenciar sua orientação sexual livremente. Este é um direito de qualquer ser humano.

10. COMO DEVO IR À PARADA?
Reúna um grupo de amigos LGBT ou convide um parente, um amigo hétero, um vizinho, um colega de trabalho, para ir com você. Não se omita! A história é escrita a partir da participação popular! Leve uma faixa, um cartaz exigindo os seus direitos, ou uma camiseta com alguma mensagem alusiva ao respeito. Você pode não acreditar, mas uma pessoa a mais na parada já faz uma grande diferença! Imagine se todos os LGBT da sua cidade pensassem assim e resolvessem comparecer à parada?

Se informe, participe!
Juntos, somos mais fortes!

sábado, 25 de junho de 2016

Campanha - Ajude a APOGLBT-GO a adquirir um veículo para prevenção das DST/AIDS



A APOGLBT-GO é uma ONG, sem fins lucrativos, sediada em Goiânia, mas com atuação em todo o estado de Goiás, que trabalha com a temática de Prevenção às DST/AIDS, Testagem Rápida, Direitos Humanos e Cidadania. Nosso público-alvo é prioritariamente a população LGBT, que é uma das mais vulneráveis a essas endemias, segundo dados do Ministério da Saúde. No entanto, também trabalhamos com a população JOVEM EM GERAL, independente de orientação sexual, e pessoas usuárias de álcool e outras drogas.

Segundo dados do Ministério da Saúde, preocupa o aumento da contaminação do HIV entre os jovens de 15 a 24 anos. De 2004 a 2013, a taxa de detecção passou de 9,6 para 12,7 casos a cada 100.000 habitantes. Diante da grande incidência de HIV/AIDS, sobretudo entre os mais jovens, a APOGLBT-GO, entende que é preciso ampliar e aumentar o impacto das ações de prevenção, levando-as até cidades de menor porte, com essas populações mais vulneráveis, além de promover o incentivo ao acesso aos serviços de saúde.

As atividades de prevenção consistem na realização de oficinas de sexo seguro e palestras para estudantes, empresas, sindicatos e outras organizações, além da abordagem individual em locais de grande fluxo de pessoas como praças, parques, bares, saunas, cinemas, boates, escolas, universidades, etc. Nessas oportunidades, orientamos acerca da importância de se fazer sexo seguro e distribuímos insumos de prevenção (camisinha e gel lubrificante), além de material informativo, alertando sobre os sintomas e tratamentos das principais DST/AIDS. Em algumas dessas atividades, realizamos a Testagem Rápida para o HIV. Pessoas com diagnóstico positivo são encaminhadas e acompanhadas para o tratamento na rede pública do SUS.

Nosso objetivo com essa campanha é adquirir uma Kombi (ou veículo similar) para realizar ações de Prevenção às DST/AIDS e Testagem Rápida para o HIV em cidades do interior do estado. Atualmente não dispomos de nenhum meio de transporte próprio e precisamos nos valer do transporte coletivo, no qual gastamos muito tempo e energia, e também da boa ação de voluntários que, às vezes, nos transportam para alguma atividade.
Precisamos de um veículo com essas características porque nessas atividades nos deslocamos em equipe, que às vezes não cabe em um carro só, e além disso precisamos levar os materiais de trabalho: mesas, cadeiras, tenda, caixas de isopor, banners, folders, mochilas com pertences da equipe, etc. De modos que um carro pequeno não comporta a quantidade de material e pessoal. O veículo também poderá funcionar como um "consultório de rua", onde poderemos conversar com as pessoas reservadamente, dar os resultados dos testes, fazer aconselhamentos, etc.

Uma kombi (ou similar) nos proporcionaria muito mais praticidade e agilidade em nossas ações, além de permitir o acesso a várias outras cidades às quais hoje não podemos atender.

A APOGLBT-GO (Associação da Parada do Orgulho GLBT de Goiás) foi fundada há 07 (sete) anos e desenvolve projetos em parceria com o Departamento Nacional de DST/AIDS (MInistério da Saúde), Coordenação Estadual de DST/AIDS de Goiás, Coordenação Municipal de DST/AIDS de Goiânia, Fundo PositHIVo e Prefeituras Municipais do interior de Goiás. Todos os trabalhos da ONG são desenvolvidos em regime de voluntariado (ninguém recebe salário fixo) e a instituição está adimplente com todos os seus contratos e financiadores.

O HIV/AIDS não escolhe cara, nem idade, nem classe social, nem etnia, nem orientação sexual, nem qualquer outro indicador. Todos estão sujeitos. E como se sabe, HIV/AIDS NÃO TEM CURA. O único remédio é a PREVENÇÃO. Por isso, nos ajude: colabore!


terça-feira, 21 de junho de 2016

segunda-feira, 20 de junho de 2016

2ª Parada LGBT de Trindade acontece em 14 de AGOSTO.


Está confirmada para 14 de agosto de 2016, a partir das 14 horas, a 2ª Parada do Orgulho LGBT de Trindade. Como no ano anterior, a concentração será em frente ao Ginásio Armando Greco, na Avenida Manoel Monteiro. O percurso da passeata será o mesmo da última edição. A expectativa da Comissão Organizadora é reunir cerca de cinco mil participantes.

Por ser um ano de eleições, o tema deste ano é: “Nosso voto, nossa força. Por uma Trindade sem LGBTfobia”. Este tema foi escolhido em reunião das ONG que promovem e apoiam a parada, com o objetivo de conscientizar a comunidade LGBT da necessidade de se votar em candidatos que sejam comprometidos com a causa e os direitos humanos LGBT.

Como na primeira edição, o evento contará com a distribuição de materiais informativos e insumos de prevenção das DST/AIDS, Sífilis e Hepatites Virais. Haverá a aplicação do Teste Rápido com Amostra de Fluído Oral e outras atividades que visam à saúde, direitos humanos e cidadania da população LGBT.

A parada é uma realização do Grupo da Diversidade LGBT de Anápolis (GDA), em parceria com a Associação da Parada do Orgulho GLBT de Goiás (APOGLBT-GO), Associação de Cidadania Direitos Humanos e Cultura Aparecidense (ACDH-A), União dos Jovens Socialistas de Anápolis (UJS), União Nacional dos Jovens LGBT (UNA LGBT) e dos Grupos Ipê Rosa e Oxumaré. Conta ainda com o apoio da Coordenação Estadual de DST/AIDS e da Prefeitura Municipal de Trindade e, também dos órgãos da segurança pública: Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e SAMU de Trindade.

Ajude na divulgação da Parada compartilhando o flyer abaixo, em formato específico para smartphones e celulares:


Capa para Facebook:



Atrações da 4ª Parada LGBT de Aparecida


Dia 17 de agosto acontece a 4ª Parada LGBT de Aparecida de Goiânia e como LGBT também é cultura, a manifestação contará com a apresentação de diversos artistas que estarão dando seu grito contra a LGBTfobia. O som ficará por conta dos Djs Juno Duran (residente das paradas da APOGLBT-GO) e os convidados Fabrício Rodrigues e Damds Marques. As drag quees serão representadas pelas belezas de Thayná Moura e Aguilera Summer. E já que ninguém poderá ficar parado com tanta animação, a dança ficará por conta dos grupos Requebra Dance, Detonadores do Funk, Bonde Os Coringas e Spirit Stilleto. Ou seja, uma festa completa com música, dança, animação, manifestação e muito respeito. Todos unidos para exigir respeito e dizer: basta de LGBTfobia!

Ajude na divulgação das atrações da Parada compartilhando o flyer abaixo, em formato específico para smartphones e celulares:



domingo, 8 de maio de 2016

4ª Parada LGBT de Aparecida de Goiânia acontece em 17 de julho


Está confirmada para 17 de julho de 2016, a partir das 14 horas, a 4ª Parada do Orgulho LGBT de Aparecida de Goiânia. Como nos anos anteriores, a concentração será na Alameda do Almeida, esquina com Av. Rio Verde, próximo ao Buriti Shopping. O percurso da passeata será o mesmo das últimas edições. A expectativa da Comissão Organizadora é reunir cerca de vinte mil participantes.

Por ser um ano de eleições, o tema deste ano é: “Nosso voto, nossa força. Por uma Aparecida sem LGBTfobia”. Este tema foi escolhido em reunião das ONG que promovem e apoiam a parada, com o objetivo de conscientizar a comunidade LGBT da necessidade de se votar em candidatos que sejam comprometidos com a causa e os direitos humanos LGBT.

Como nas outras edições, o evento contará com a distribuição de materiais informativos e insumos de prevenção das DST/AIDS, Sífilis e Hepatites Virais. Está sendo articulada a aplicação do Teste Rápido com Amostra de Fluído Oral e outras atividades que visam à saúde, direitos humanos e cidadania da população LGBT.

A parada é uma realização da APOGLBT-GO, em parceria com o Grupo da Diversidade LGBT de Anápolis (GDA), Associação de Cidadania Direitos Humanos e Cultura Aparecidense (ACDH-A), União dos Jovens Socialistas de Anápolis (UJS) e União Nacional dos Jovens LGBT (UMA LGBT). Conta com o apoio da Coordenação Estadual de DST/AIDS e da Prefeitura Municipal de Aparecida de Goiânia e, além dos órgãos da segurança pública: Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, SAMU e Guarda Civil de Aparecida de Goiânia.


Ajude na divulgação da Parada compartilhando o flyer abaixo, específico para smartphones e celulares:


Capa para Facebook:



sábado, 30 de abril de 2016

Paradas LGBT do Interior de Goiás 2016 - Comunicado

Embora não tenha recebido financiamento do Ministério da Saúde em 2016 para a realização de eventos, a APOGLBT-GO informa que todas as paradas planejadas estão CONFIRMADAS! Leia o comunicado abaixo.



sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

II Parada LGBT de Pirenópolis - 2015

 
Para ver o álbum de fotos clique aqui
 
Encerrando a temporada de paradas 2015, a APOGLBT-GO promoveu no dia 29 de novembro a II Parada do Orgulho LGBT de Pirenópolis, com o apoio do GDA (Grupo da Diversidade LGBT de Anápolis, da ACDH-A (Associação de Cidadania, Direitos Humanos e Cultura Aparecidense) e da UJS (União dos Jovens Socialistas de Anápolis).

As atividades começaram na quinta-feira, 26/11, com uma panfletagem. No sábado de véspera, esta atividade foi reforçada com uma nova ronda pelos principais pontos turísticos da cidade. Por volta das treze horas a equipe começou a decorar o trio e a espalhar faixas e banners nos muros de pedra que circundam o Estacionamento da Feira, local de realização do evento.

Aos poucos, e de forma tímida, os pirenopolinos foram se aproximando, curiosos para ver o que ali aconteceria. Logo depois chegaram as caravanas de Goiânia, Brasília e muitos carros de Anápolis, Ceres e outras cidades da região.

Durante a tarde aconteceram apresentações do DJ Duran, da drag queen Salete Lopes e do grupo Requebra Dance, além do Gogodance Daniel, que se apresentou como Papai Noel. Fizeram uso da palavra os ativistas Marco Aurélio (do Grupo Ypê Rosa/Oxumaré), Odílio Torres (Assessor Municipal da Diversidade de Goiânia), Júnior Duran (presidente do GDA), Gleidson Campos (presidente da ACDH-A), além de Francisco Mendes (presidente da APOGLBT-GO). Nos discursos os militantes abordaram a questão da prevenção das DST/AIDS, da Cidadania e dos Direitos Humanos LGBT.

Uma parceria da APOGLBT-GO com o Grupo Eles Por Eles, de Goiânia, possibilitou a realização do Teste Rápido de Fluído Oral. Além disso foram distribuídos preservativos, folders e panfletos orientando sobre a prevenção das DST/AIDS.

Por volta das 18:00 horas, após a execução do Hino Nacional, a multidão saiu em passeata pelas ruas centrais da cidade. Um pouco adiante, em frente à Prefeitura Municipal, o militante Marco Aurélio fez um inflamado discurso em defesa dos cidadãos da cidade mineira de Mariana, que recentemente foi vítima do rompimento de duas barragens. Na oportunidade, o ativista denunciou o descaso e o desrespeito das autoridades do país para com os seus cidadãos, nas mais diferentes situações de catástrofe e miséria social, sendo muito aplaudido pelos participantes da passeata, bem como por pessoas que estavam nas residências e bares ao longo da avenida.

Depois de um percurso de cerca de três quilômetros, onde foi saudada por dezenas de famílias e curiosos que se postaram ao longo do trajeto, já era noite quando a passeata retornou ao ponto de partida, terminando com um beijaço no Estacionamento da Feira. Os participantes ainda queriam mais e um clima de saudade já tomava conta de todos.
 
Para ver o álbum de fotos clique aqui