quarta-feira, 21 de outubro de 2015

I Parada LGBT de Trindade acontece em 1º Nov


II Parada LGBT da Cidade de Goiás


Para ver o álbum de fotos clique aqui

 Aconteceu neste domingo, 18 de outubro, a II Parada do Orgulho LGBT da Cidade de Goiás. Na tarde de sábado, 17/10, uma equipe das ONG organizadoras chegou à cidade para reforçar os trabalhos de divulgação, percorrendo alguns pontos turísticos, áreas de lazer e áreas residenciais da cidade. À noite o grupo participou de um sarau nas proximidades da Casa de Cora e fez panfletagem na Praça do Coreto. Para terminar a noite, ainda teve uma passagem pelo ‘happy hour’ da Praça de Eventos.

Na manhã de domingo, por volta das dez horas, a equipe se deslocou para o local de concentração e iniciou a montagem da estrutura. A parada deste ano contou com diversos complicadores, como a falta de água e energia. A cidade está enfrentando um severo racionamento. A temperatura, na casa dos quarenta graus, foi outro fator que prejudicou o comparecimento do público, que chegou, em sua maioria, depois das dezessete horas, quando o calor começou a abrandar.

Foi montada pela Secretaria Municipal de Saúde uma “Tenda da Prevenção”, com a aplicação de vacinas contra Hepatites e Febre Amarela. O médico e as enfermeiras distribuíram preservativos, materiais informativos, e ainda orientaram os presentes a respeito da prevenção das DST/AIDS. Em parceria com as ONG organizadoras do evento, o Grupo Pela Vidda, de Goiânia, aplicou o Teste Rápido de Fluido Oral, para detecção do HIV/AIDS. Nesta jornada foram aplicados quase 200 testes.

O evento contou ainda com a presença do Bonde dos Abusados, DJs, gogo boys, drag queens, misses, etc. Fizeram uso da palavra os ativistas Marco Aurélio (do Grupo Ypê Rosa), Odílio Torres (Assessor Municipal da Diversidade, de Goiânia), Juno Duran (presidente do GDA, de Anápolis) e Francisco Mendes (presidente da APOGLBT-GO). Um professor do ensino médio, assumidamente gay, também fez uso da palavra para relatar a sua experiência enquanto gay e figura pública da cidade. Os microfones ficaram a cargo de Gleidson Campos, Paulo Henrique Borges e Leonardo Ferreira. O objetivo da APOGLBT-GO é capacitar os jovens para que assumam o protagonismo do movimento no estado de Goiás.

Por volta das dezoito horas e trinta minutos, logo após a execução do Hino Nacional, os participantes deram início à passeata pelas ladeiras da cidade histórica. Ao som de muita música e gritos de ordem, a manifestação foi chamando a atenção de todos, por onde passava. Famílias inteiras, idosos e muitas crianças postaram-se nas calçadas para acompanhar o desfile. Chamou a atenção uma família que agitava uma bandeira do arco-íris. Depois de posar para uma foto com militantes, a mulher relatou que é mãe de uma lésbica e, que, por isso, toda a família apoia o movimento LGBT. Um grupo de motoqueiros e outro de motoristas também acompanhou o percurso, transformando a parada em uma carreata.

Já na parte final do trajeto, o cortejo parou em frente à Câmara Municipal, quando militantes fizeram discursos cobrando da classe política, de todas as esferas governamentais, as políticas públicas para a população LGBT.

Pouco depois a passeata chegou ao ponto de partida. O som permaneceu ligado por algum tempo, para alegria dos presentes. Como ponto positivo da edição de 2015, foi constatada a presença de muitos LGBT locais acompanhando a passeata, o que não havia acontecido no ano anterior. Merece registro também a presença de muitos idosos e crianças, o que tem diferenciado a parada da Cidade de Goiás das demais do interior goiano.

A II Parada LGBT da Cidade de Goiás foi realizada pela APOGLBT-GO (Associação da Parada do Orgulho GLBT de Goiás) em parceria com as ONG GDA (Grupo da Diversidade LGBT de Anápolis), ACDH-A (Associação de Cidadania, Direitos Humanos e Cultura Aparecidense) e foi apoiada pelo Ministério da Saúde, Prefeitura Municipal da Cidade de Goiás através das secretarias de Saúde, Cultura e Turismo. Contou ainda com o apoio da Polícia Militar, SAMU, Corpo de Bombeiros e Saneago.

Para ver o álbum de fotos clique aqui

II Parada da Cidade de Goiás /GO acontece dia 18/10





EXCURSÃO



I Parada LGBT de Anicuns



Para ver o álbum de fotos clique aqui

O GDA (Grupo da Diversidade LGBT de Anápolis) realizou neste domingo, 11/10, a I Parada do Orgulho LGBT de Anicuns. A atividade foi uma parceria com as ONG APOGLBT-GO, ACDH-A e UJS.

Que você, leitor, nos permita a licença poética. Hoje, ao invés do tom jornalístico de nossas coberturas vamos adotar o tom da crônica, pois uma parada tão encantadora como foi a de Anicuns não pode ser narrada com o tom formal de uma matéria jornalística.

Anicuns é uma cidade de vinte e poucos mil habitantes, logo não se poderia esperar multidões como em Aparecida de Goiânia ou Goiânia. Mas, o que mais chamou a atenção nesta parada foi o envolvimento das pessoas. Quando a equipe da capital chegou para iniciar os trabalhos, logo na entrada da cidade já foi recebida por um grupo de LGBT, formado principalmente por travestis, que estavam ali prontas para ajudar. Com tamanho empenho, a estrutura foi rapidamente montada. Mas esta não era a única demonstração de cordialidade: por volta das dez horas da manhã, as anfitriãs preparam um lanche para a equipe que estava trabalhando na montagem e um pouco mais tarde foi servido um almoço. E nada disso foi articulado por órgão público ou instituição, mas partiu da iniciativa dos próprios LGBT da cidade, que mais tarde cederam suas casas para que a equipe de Goiânia tomasse banho e se preparasse para o evento.

A parada começou tímida, pois havia um receio geral na cidade do que haveria de ser essa tal “parada gay”. A ideia que os habitantes tinham na cabeça, segundo relataram, era daqueles eventos gigantescos dos grandes centros; dos tumultos que “certamente aconteceriam” e, principalmente, dos excessos como cenas de nudez ou afrontas religiosas. Felizmente nada disso aconteceu. A Polícia Militar, muito solícita e prestativa, não registrou uma única ocorrência. Os religiosos, que faziam um culto no trajeto da parada, aplaudiram os manifestantes pela atitude educada de desligar o som do trio durante a passagem em frente ao templo. Ao que os LGBT retribuíram com outra salva de palmas.

Quem quebrou o gelo foi mesmo o pessoal da excursão de Goiânia, que chegou cantando e entoando gritos de ordem do movimento. Aos poucos a população foi se aproximando e como se pode ver nas fotos, muitas famílias, idosos e crianças se juntaram ao grupo para assistir às apresentações dos DJs, Drag Queens, Gogo boys e principalmente da Rainha das Paradas da APOGLBT-GO, Thayná Moura, que arrancou efusivos aplausos dos presentes.

Também chamou a atenção a “Tenda da Prevenção” montada pelas funcionárias da Secretaria Municipal de Saúde. Poucas vezes se viu em uma parada LGBT uma tenda tão bem decorada, com tamanho bom gosto. Mas o principal era a sua função: distribuir preservativos, materiais informativos e orientar o público a respeito da prevenção das DST/AIDS.

Por volta das dezoito horas, o grupo saiu em passeata pelas principais avenidas da cidade. Aquelas pessoas tímidas, temerosas de serem vistas em um evento dessa natureza e que não tiveram coragem de ir ao local da concentração, não resistiram e se postaram nas calçadas para ver o cortejo passar. Sentadas, confortavelmente em suas cadeiras, como é comum nas cidades calmas do interior. Alguns motoristas e motociclistas incrementaram a carreata com o som de suas buzinas, chamando ainda mais a atenção dos moradores. Por onde o grupo passava, era saudado pelas pessoas nas calçadas. De resto, até um grupo de cães acompanhou a passeata. O percurso teve cerca de três quilômetros e terminou no local de partida, com todos querendo um pouco mais daquela manifestação política que mais pareceu uma confraternização entre amigos.

Enfim, a I Parada LGBT de Anicuns cumpriu a sua finalidade, que era a de levar as ações de prevenção das DST/AIDS até as pequenas cidades do interior, pois segundo dados do Ministério da Saúde, uma das constatações que mais preocupam é o avanço dessas endemias em áreas interioranas. Por outro lado, como o tema da parada já dizia, “é preciso conhecer para respeitar”, ou seja, a comunidade local teve a oportunidade de ter um contato mais próximo com a cultura LGBT e suas reivindicações em matérias como direitos humanos e cidadania. O que se espera é que agora essa comunidade tenha um outro olhar a respeito da questão LGBT. E a julgar pelas manifestações positivas, pela boa impressão causada pelas pessoas que participaram da parada, não é exagero afirmar que na simpática cidade de Anicuns, não ficaremos apenas na primeira parada, mas teremos a segunda, a terceira e muitas outras. Como afirmou Francisco Mendes, coordenador do evento, “quantidade não é qualidade e a parada de Anicuns se destacou justamente por ser uma parada politizada, que contou com o envolvimento da comunidade. Isso sim, é muito importante.” Vale lembrar que a primeira parada de Goiânia, em 1997, reuniu apenas 09 (nove) manifestantes e cerca de 20 (vinte) policiais! A julgar por essa comparação, a I Parada de Anicuns foi um sucesso!

O GDA e as ONG parceiras agradecem à Polícia Militar, SAMU, Secretaria Municipal de Saúde, Rádio Anicuns FM, aos militantes, aos artistas, aos LGBT locais, a todos os participantes e à toda à comunidade anicuense, que ajudaram a fazer da I Parada LGBT de Anicuns um ‘grande’ evento.


Para ver o álbum de fotos clique aqui

XX Parada LGBT de Goiânia



A equipe das ONG APOGLBT-GO, GDA, ACDH-A e UJS marcou presença na XX Parada LGBT de Goiânia, realizada neste domingo, 04/10. O objetivo da participação era a divulgação das próximas paradas que as ONG realizam no interior de Goiás: dia 11 OUT – ANICUNS; dia 18 OUT – CIDADE DE GOIÁS; dia 1º NOV – TRINDADE e PIRENÓPOLIS cuja data ainda vai ser confirmada. Na oportunidade, o trio elétrico portava faixas com as datas das paradas do interior, foram distribuídos panfletos ao público e muitas falas feitas no microfone.

Para ver o álbum de fotos clique aqui